segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Violência contra Crianças e Adolescentes

Percebeu-se que a família não necessariamente é o centro e o núcleo de proteção de crianças e adolescentes, podendo ser a origem de agressões.


A violência contra a criança e o adolescente é produto de múltiplos fatores:

- Dificuldades cotidianas;
- Pobreza;
- Separação do casal;
- Crises financeiras;
- Características individuais (
temperamento difícil, retardo mental, hiperatividade, entre outros);
- Influências familiares;
- Aspectos sociais e culturais.
Não há uma única causa, assim como não há solução única.


Tipos de Violência Contra Crianças e Adolescentes (Gonçalves, 2005; OMS, 2002)

Violência Física
Atos violentos com o uso da força física de forma intencional - não acidental - provocada por pais, responsáveis, familiares ou pessoas próximas.

Negligência
Omissão dos pais ou responsáveis quando deixam de prover as necessidades básicas para o desenvolvimento físico, emocional e social da criança e do adolescente.

Psicológica
Rejeição, privação, depreciação, discriminação, desrespeito, cobranças exageradas, punições humilhantes, utilização da criança e adolescentes para atender às necessidades dos adultos.

Sexual
Toda a ação que envolve ou não o contato físico, não apresentando necessariamente sinal corporal visível. Pode ocorrer a estimulação sexual sob a forma de práticas eróticas e sexuais (violência física, ameaças, indução, voyerismo, exibicionismo, produção de fotos e exploração sexual).


Quais os possíveis efeitos da violência contra crianças e adolescentes?

- Hiperatividade ou retraimento;
- Baixa auto-estima, dificuldades de relacionamento;
- Agressividade (ciclo de violência);
- Fobia, reações de medo, vergonha, culpa;
- Depressão;
- Ansiedade;
- Transtornos afetivos;
- Distorção da imagem corporal;
- Enurese e/ou encoprese;
- Amadurecimento sexual precoce, masturbação compulsiva;
- Tentativa de suicídio, e outros...


Quem protege a criança e o adolescente?

O artigo 5º do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA, Lei Federal 8.069/90) que dispõe: "Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais".


Como notificar os casos de violência contra crianças e adolescentes?

- Conselho Tutelar
- Secretaria Municipal de Saúde
- Promotoria Infância e Juventude
- Delegacia da Infância e Juventude
- Defensoria Pública

37 comentários:

Bárbara Sartori disse...

Sou Defensora Pública, titular do Juizado da Infância e da Juventude em Canoas, Especialista em Direito da Criança e do Adolescente pela FESMP. É função institucional da Defensoria, dentre outras, exercer a defesa da criança e do adolescente.Logo, também é o local adequado para "notificar os casos de violência contra crianças e adolescentes".

Larissa disse...

Bárbara: agradecemos a tua contribuição. É assim que poderemos atingir o nosso objetivo primeiro, que é contribuir no entendimento do fenômeno violência, especificamente intrafamiliar e tentar melhorar essa realidade tão cruel! Abraços!

Sandocleber disse...

Prezada Larrissa,

Parabéns pelo comprometimento com a causa da Violência Doméstica contra a Criança e o Adolescente (VDCA).
É lamentável que o espaço familia com toda grandiosidade culturalmenete edificada como siônimo de lugar-sagrado e, portanto, espaço de segurança, proteção, tenha se constituido em alguns casos em UM LUGAR INADEQUADO PARA SE VIVER BEM.
A VDCA tem nos mostrado que a noção de familia internalizada historicamente vem sendo substituida por uma outra noção que nos leva a pensar: em qual espaço podemos verdadeiramente construirmos nossa subjetividade e identidade satsfatórias na condição humana.
Precisamos juntar forças para fazermos o papel que seria a função primeira da familia: proteger, cuidar, amar!

Quando puder, visite-me no meu blog e deixe sua contribuição, certo?

Abraço,

Sando

Sandocleber disse...

Cara Larissa,

Esqueci de deixar o endereço de meu blog www.violenciadomesticacontracrianca.blogspot.com

Aguardo sua visita!

Sando

andrea disse...

Olá

Sou aluna do curso de aperfeiçoamento em Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes do NEAD-UNICSUL (Núcleo de Educação à Distância - Universidade Cruzeiro do Sul) e, tendo observado o seu engajamento na prevenção deste fenômeno tão complexo que em 2007 atingiu a marca de 11.714 notificações (conforme pesquisa realizada pelo Laboratório de Estudos da Criança da Universidade de São Paulo), proponho a criação de uma “corrente do bem”, uma rede que possibilite e proponha a troca de idéias, informações e a sensibilização de pessoas para a necessidade da prevenção.

Sugiro também que acessem o site http://www.ip.usp.br/laboratorios/lacri e assine a moção de apoio ao Projeto de Lei 2654/2003, que ficou conhecida como “Lei da Palmada”, de autoria da Deputada Maria do Rosário, ainda em trâmite no Congresso, que dispõe sobre a alteração da Lei 8069, de 13/07/1990, o Estatuto da Criança e
do Adolescente, e da Lei 10406, de 10/01/2002, o Novo Código Civil,
estabelecendo o direito da criança e do adolescente a não serem submetidos a
qualquer forma de punição corporal, mediante a adoção de castigos moderados ou
imoderados, sob a alegação de quaisquer propósitos, ainda que pedagógicos.
Segue lista contendo endereços de outros Blogs que abordam a Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes.
http://www.violenciadomesticacontracrianca.blogspot.com
http://www.violencia-domestica-nao.skyrock.com
http://violenciacriancaeadolescente.blogspot.com/

andrea disse...

A Costa Rica é o terceiro país da América Latina a aprovar a lei contra o castigo físico e humilhante. O projeto de lei apoiado pela Save the Children Suécia, teve aprovação unânime na Assembléia Legislativa, no dia 21 de maio de 2008. Com a nova lei, o artigo 143 do Código de Família sofre modificação e estabelece que à autoridade parental confere os direitos de orientar, educar, cuidar, vigiar e disciplinar os filhos e filhas, mas proíbe todo tipo de castigo físico e qualquer outra forma de tratamento humilhante contra crianças e adolescentes. Com esta conquista, a Costa Rica é mais um país na América Latina que garante em sua legislação o direito à dignidade, integridade física e a não discriminação de crianças e adolescentes.

andrea disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
maria rocha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
maria rocha disse...

Ao grupo de pesquisa
Boa tarde!
Estou fazendo uma pesquisa sobre blogs que abordam a temática da violência contra crianças e adolescentes e, dentre eles, considero que este está muito interessante. Deixo os meus parabéns pela iniciativa e acrescento que somente unindo esforços para a sensibilização e mobilização da sociedade é que vamos ampliar a capacidade de mudança dessa realidade cruel vivida pelas crianças e adolescentes do Brasil e no mundo. Sou assistente social de um Centro de Referência Especializado da Assistência Social e tenho me deparado com o desafio de receber situações familiares para atendimento nas quais se destaca um padrão cultural e transgeracional de convivência familiar forjado na relação violência.
Acredito que este caminho que prevê a transcendência dos muros das univerdades para se buscar uma linguagem que a sociedade possa apreender e refletir sobre as possíveis formas não violentas e solidárias de relacionamento humano, tem atingido seus excelentes resultados.

Também deixo o meu abraço à colega Andrea e informo que também sou aluna do curso de aperfeiçoamento sobre Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes e estou fazendo parte dessa "corrente do bem".

21 de Junho de 2008 13:50

arlete disse...

É muito importante esta corrente de Cidadões comprometidos contra a violencia a Criança e o Adolescente ainda presente no contexto da historia do nosso Brasil.
As ações que efetivamos contra a omissão aos direitos das crianças é a prevenção para evitar outras vitimas.
A rede é um dos instrumentos de continuidade de nossas ações, visando garantir os direitos das crianças e dos adolescentes de terem um futuro de dignidade.

Maria Regina disse...

Gostaria de ressaltar a importância da divulgação da violência intrafamiliar, principalmente contra crianças e adolescentes.
É neste âmbito que o silêncio se faz presente, impedindo o pleno desenvolvimento da infância. As vítimas passam a ser, então, no futuro, autores de violência em potencial, já que não receberam tratamento adequado.
No entanto, a melhor forma de não silenciarmos é prevenir, participando, por exemplo, dessa "corrente do bem"!
A prevenção apresenta-se como a forma mais eficaz de enfrentamento à VDCA, já que evita que se façam novas vítimas.
Enfatizo, ainda, o posicionamento do colega de curso de VDCA, Sando, quando coloca a necessidade de discutirmos o espaço da família, culturalmente colocado como "lugar sagrado". Precisamos, sim, sair do "privado" para o "público", para que possamos abrir espaços que viabilizem a proteção de nossas crianças e adolescentes...

arlete disse...

Novamente deparamos com a Fatalidade contra uma criança sendo divulgado nas midias, que provalvelmente ocorreu no ambito familiar.
Caso seja comprovado os indicios dos provaveis vitimizadores, as citações dos colegas da corrente em relação o pacto do silencio intrafamiliar deve ser rompido com comprometimento pessoal e/ou profissional de todos cidadãos.
A particação social no rompimento do grito de silencio das vitimas.

Núbia Fernanda disse...

Bom dia,
Faço um curso na área de Violencia Doméstica contra criança e adolescente, e estamos fazendo uma corrente do bem em prol destas crianças e adolescentes vítimas de violência doméstica. Nosso objetivo é orientar, divulgar, a fim de prevenir e reduzir o numero de casos de violencia contra as crianças e adolescentes.
Participe!!!!
Vejo que outros colegas do curso já passaram por aqui, deixando sua rica contribuição....vamos nos mobilizar para que consigamos criar uma nova realidade para estas crianças e adolescentes, a salvo de agressões, para que elas possam crescer em ambiente seguro e adequado...
Aguardo contato atraves do email....
Obrigada!

paty disse...

eu adorei este conteudo por que falar dos direitos nao só da criança mais simda criança e do adolecente por isso vcs estão de parabéns.continuem assim...
bjs parabéns
ass:patricia com muito amor

sara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sara disse...

Sou estudante graduanda do Curso de Direito aqui na Paraíba e meu tema é Violência intrafamiliar contra Crainças a Adolescentes. Gostei do que li e tive um apredizado que eu pensei já ter, aqui nesse site. Obrigada pela ajuda!!! Sim... como se sabe. A época de monografia é um tempo em que o estudante fica "quase louco" , pelo menos eu, se não ficar agora não ficarei mais nunca. Portanto quero pedir encarecidamente aos donos do site ou aos contribuintes ou a qualquer pessoa, que como eu, ler esse site. Que me envie qualquer material sobre Violência intrafamiliar, pois estou precisando de muitas referências. Desde já obrigada e parabéns ao site. ( o e-mial é saraa_andrade@hotmal.com )

miro disse...

Parabéns pela iniciativa.
Sou professor de Jornalismo da Universidade Federal do Pampa, em São Borja, e ministro a disciplina Educação, Mídia e Violência contra segmentos vulneráveis, no curso de Pós-Graduação em Violência Intrafamiliar (especialização). Tenho interesse por abordagens que façam relação com as representações que a mídia promove sobre a violência intrafamiliar. Se o grupo puder me indicar algo, agradeço.
Bons estudos,
Prof.Dr. Miro Bacin
Unipampa-São Borja

Carolina disse...

Esse documentario me ajudou MUITO no meu trabalho de Ciencia sobre 'violencia na adolescencia'...!

Muito obrigada!! eu so tenho a agradecer..! =D

Bjos..!

Rafael disse...

Bom dia, estou postando esse comentário pois encontrei este post enquanto procurava orientação sobre algo que anda acotecendo com uma amiga muito querida.
Ela anda sendo agredida pela mãe, violentamente, após sua separação com o marido. Gostaria que alguém pudesse orientar-me, sobre como posso ajudar.
Desde-ja agradeço, meu email para contato é rafael@ribnet.com.br

Lindas Lendas disse...

Olá
Estou iniciando uma pesq. para meu TCC sobre a violência doméstica e a Escola.
Gostaria de manter contato para algumas dicas, se for possivel.
meu e-mail

deisemaria11@yahoo.com.br
Obrigada
Abraçoaguardo retorno

wallyson novais disse...

gostei mesmo de acao de protegreas criancas e os adolecentes das dogras e outros ficios

larissa disse...

eu nao sou contra isso + eu acho q e errado violentar crianças e adolessentews

ELLEN disse...

e a violencia contra crianças e adolescentes e cada dia maior!

Assis1301 disse...

Boa noite! Gostaria de um esclarecimento, se um adolescente for agredido pelos pais, por motivos supérfluos, que aos olhos da comunidade e da lei nunca seriam motivos para uma agressão física, onde a mesma deixou hematomas. Quais seriam as instruções e os direitos para a criança?

LET DAYS disse...

Estou fazendo um trabalho sobre violência e saúde pública,para o curso de téc em enfermagem,e sinto que é preciso mudar a cabeça das pessoas em relação a este tema,pois a violência é tratada como algo comum e aceitável por grande parte da população.eu inclusive sofri violência psicológica quando criança,e se bobear continuo sofrendo.

tudo sobre Naruto disse...

conheço uma familia no qual o pai sai pra trabalhar enquanto a mãe se droga o pai tem medo de falar pque ela sempre promete melhorar
essa mãe grita com os filhos não dá banho um tem 10 anos e o outro tem6 anos

Atelier das Bruxas disse...

Prezada Larissa, atuo no enfrentamento a V.D.e S. contra crianças e adolescentes desde 1997. Estou concluindo o curso de ciências sociais na UFPE com a monografia dentro da temática, enfim... mas gostaria de te dizer que me emocionei muito com a imagem do seu blog, as mãos frágeis daquela criança me paralisaram e me fizeram entender porque estou demorando tanto para concluir o trabalho. Pela simples razão de não querer me deparar tão particularmente e profundamente com o tema. Sendo assim, após te compartilhar e agradecer pela ficha que caiu, reconheço a profunda dor em lidar com o tema e te parabenizo pelo trabalho tão importante deste grupo de estudo. Agora sei que devo acabar meu trabalho pela importância do tema! Adriana Duarte Araujo.

Atelier das Bruxas disse...

Prezada Larissa, atuo no enfrentamento a V.D.e S. contra crianças e adolescentes desde 1997. Estou concluindo o curso de ciências sociais na UFPE com a monografia dentro da temática, enfim... mas gostaria de te dizer que me emocionei muito com a imagem do seu blog, as mãos frágeis daquela criança me paralisaram e me fizeram entender porque estou demorando tanto para concluir o trabalho. Pela simples razão de não querer me deparar tão particularmente e profundamente com o tema. Sendo assim, após te compartilhar e agradecer pela ficha que caiu, reconheço a profunda dor em lidar com o tema e te parabenizo pelo trabalho tão importante deste grupo de estudo. Agora sei que devo acabar meu trabalho pela importância do tema! Adriana Duarte Araujo.

Atelier das Bruxas disse...

Prezada Larissa, atuo no enfrentamento a V.D.e S. contra crianças e adolescentes desde 1997. Estou concluindo o curso de ciências sociais na UFPE com a monografia dentro da temática, enfim... mas gostaria de te dizer que me emocionei muito com a imagem do seu blog, as mãos frágeis daquela criança me paralisaram e me fizeram entender porque estou demorando tanto para concluir o trabalho. Pela simples razão de não querer me deparar tão particularmente e profundamente com o tema. Sendo assim, após te compartilhar e agradecer pela ficha que caiu, reconheço a profunda dor em lidar com o tema e te parabenizo pelo trabalho tão importante deste grupo de estudo. Agora sei que devo acabar meu trabalho pela importância do tema! Adriana Duarte Araujo.

Debora disse...

Olá, sou Débora Pegorari, estudante de Terapia Ocupacional no Centro Universitário São Camilo, e gostaria de saber se existe alguma instituição, que poderia receber um grupo de 3 pessoas, para uma conversa, referente ao tema "Violência contra crianças e adolescentes".
Obrigada pela atenção

Débora Pegorari
deborapegorari@hotmail.com

Debora disse...

Olá, sou Débora Pegorari, estudante de Terapia Ocupacional no Centro Universitário São Camilo, e gostaria de saber se existe alguma instituição, que poderia receber um grupo de 3 pessoas, para uma conversa, referente ao tema "Violência contra crianças e adolescentes".
Obrigada pela atenção

Débora Pegorari
deborapegorari@hotmail.com

google disse...

me ajuda eu preciso fazer uma pesquisar do estudo das crianças e do adolescentes da escola e ate segunda feira pode me ajuda se vc pode eu de agredeço de coração

Sara disse...

Gostaria de receber informações sobre padrão cultural e transgeracional de convivência familiar forjado na relação violência .Aguardo retorno!

guiomar disse...

a violência sexual que envolve as crianças e adolescentes já se tornou uma epidemia, e sempre as mesmas coidas, só parte primeiro dentro de casa pelos pais ou padrasto. e se não uniormos para ir diminuindo esse tipo de violencia

Livros que emocionam disse...

Muitas são as crianças que sofrem violência doméstica em segredo. Poucos vizinhos e parentes se encorajam a denunciar. Algumas crianças morrem vítimas dessa violência, outras sobrevivem e poucas contam suas histórias. Indico o livro Nem todas as mães amam os filhos, de Rose Ferreira. Vale a pena conhecer mais profundamente sobre o assunto.

Livros que emocionam disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Iara Maciel disse...

Bom dia
Estou desenvolvendo um trabalho para diversas cadeiras aqui em João Pessoa sobre a violência contra a criança e ao adolescente gostaria de algum material de apoio para efetuar tais trabalhos. Gostei bastante deste texto e com certeza extrairei bastante para minha vida acadêmica. Obrigada. Meu e-mail é Iaramcbatista@gmail.com